sexta-feira, 18 de maio de 2012

O Caminho



Desço do autocarro, toco a calçada.
O Sol aperaltou-se e mostra-se vigoroso.
A brisa da tarde envolve-me,…
Que começo lindo e espantoso!

De um lado correm estudantes sorridentes,
Regressando do almoço rápido, no café;
Do outro prolonga-se o passeio marcado,
A base de cada passo, independente da fé.

O caminho pode ser breve,
Se olhar para o chão diante de mim,
Se todo o alcance for uma passada,
Curta, a jornada esperada.

Mas grande é a surpresa,
Aquando ergo o meu olhar:
A distância estende-se ao infinito,
Numa linha sem indícios de acabar.

Olho as árvores e as casinhas,
Nos montes, nas alturas,…
Avisto o João, na sua hortinha,
A colher frutos e verduras.

Há quem o ache monótono,
Todos os dias igual, repetido.
Por vezes eu mesma penso:
Porque não muda, o caminho?

Oh! Mas como o tempo é sabido!
Transforma o mundo em milhões de anos,
Muda um quadro vivo num segundo,…
Nunca a viajem se repete,
Nunca um respirar é do mesmo profundo.

Por vezes posso estar triste demais,
Pensativa demais, bloqueada demais,
Para apreciar as diferenças,
Adorar as semelhanças,…
Por ventura, em dias inspirados,
Quando as cores vêm com o vento,
Não consigo ser insensível, egoísta,
Deixando problemas exagerados
Roubarem-lhe cruelmente o valor.
Cada caminho merece ser analisado,
Vivido, aproveitado com sentimento.
Cada caminho retribuirá com sorrisos,
Boa disposição em todo o momento.

Caminho de volta, caminho de ida;
Caminho de muitas histórias;
Caminho de uma vida!